por Gabrielle Tavares, via Correio do Estado



Outros 247 aparelhos estão sendo formatados para serem entregues também

Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) entregou 148 celulares apreendidos em unidades penais de regime semiaberto e aberto da Capital para escolas estaduais do município.

As unidades farão a distribuição dos aparelhos entre os estudantes de maior situação de vulnerabilidade. Além disso, outros 247 estão sendo formatados pela Associação de Recicladores de Lixo Eletroeletrônicos de Mato Grosso do Sul (Recic.le), totalizando a doação de 395 celulares.

O projeto foi feito pela Agepen, em parceria com a Secretaria Estadual de Educação (SED), o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), por meio da 2ª Vara de Execução Penal, e Ministério Público Estadual, através da 50ª Promotoria de Justiça.

Conforme o diretor-presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves os celulares serão usados pelos estudantes que não possuem acesso às tecnologias, e precisam de um meio para assistir às aulas remotas durante o período de pandemia.

“O intuito é que futuras apreensões continuem sendo entregues para os estudantes de instituições públicas de ensino, revertendo a conduta delitiva de dentro das unidades penais em benefício da educação e da sociedade”, destaca.

O diretor da E.E. Zélia Quevedo Chaves, Álvaro de Lima Silva explicou que usará como critério para à distribuição os alunos que demonstraram maior interesse em buscar as tarefas na escola, mesmo com a falta de equipamentos.

Os aparelhos ainda precisarão ser habilitados com rede de internet. Para que isso aconteça, o diretor sugeriu que o próprio grupo de professores ou a comunidade colabore apadrinhando um aluno, por exemplo, doando um chip que custa em torno de R$ 10.

“Mesmo que o aluno não possua um pacote de dados de internet, com o aparelho celular habilitado por chip, ele pode se comunicar por WhatsApp, de modo que ele receberá as informações importantes do grupo da sua turma”, disse.

“Quanto ao acesso à internet, nós oferecemos a nossa rede wi-fi, assim, com pré-agendamento, o aluno pode se dirigir à escola quando necessitar navegar na nossa rede”, completou.

Reformas nas escolas

As unidades contempladas com as doações serão aquelas atendidas pelo projeto “Revitalizando a Educação com Liberdade”, que realiza reformas nas unidades escolares com mão de obra carcerária. 

São os próprios presos que custeiam essas revitalizações, a partir do desconto de 10% do salário que os internos recebem por trabalhar.

Dentre as 12 escolas estaduais já contempladas com a doação dos celulares, estão as últimas quatro reformadas: Zélia Quevedo Chaves, Lino Villachá, Teotônio Vilela e Aracy Eudociak.

O critério de distribuição dos aparelhos será o grau de conservação das escolas, avaliado por um oficial de justiça após visita presencial.

“É uma forma de ajudar aqueles que contribuíram com a manutenção das escolas, após as reformas recebidas, através do empenho dos diretores e da comunidade. Os celulares irão auxiliar as famílias que mais necessitam desses recursos”, explicou a representante da 2º Vara de Execução Penal, Michelle Dibo Nacer Hindo.

Foto: Divulgação.

Matéria Original: https://correiodoestado.com.br/cidades/escolas-recebem-doacao-de-celulares-apreendidos-em-presidios/386565