por Nayara Batschke, via UOL

São Paulo, 3 ago (EFE).- Abner Teixeira, dez anos atrás, começou a treinar boxe querendo “deixar de ser sedentário”, mas hoje o pugilista foi muito além disso, ao conquistar a medalha de bronze na categoria até 91 kg da modalidade nos Jogos Olímpicos de Tóquio, ficando mais perto de alcançar o sonho de comprar uma casa para a mãe.

Nascido em Osasco, em São Paulo, o atleta se mudou ainda na infância para Sorocaba, no interior do estado. Após praticar futebol, basquete e atletismo, foi na cidade que conheceu o esporte que mudou sua vida, graças ao projeto social “Boxe: Uma luz para o futuro”,

Fundada em 2004, a iniciativa chegou a atender cerca de 700 menores de idade em situação de vulnerabilidade social, mas sofre, atualmente, com a forte queda de recursos financeiros para seguir em funcionamento.

Para muitas crianças e adolescentes, o projeto é a única opção viável para escapar de condições de vida carentes, além de ainda servir como um trampolim para o esporte profissional, como foi o caso do pugilista que brilhou em Tóquio.

“É um exemplo de sucesso desse projeto, que hoje culminou com uma medalha olímpica”, disse à Agência Efe o fundador da iniciativa, Vladimir Godoi, que também foi o técnico responsável por descobrir o talento para o boxe de Abner.

Nascido em uma família humilde e criado em um bairro pobre de Sorocaba, o hoje pugilista precisava caminhar seis quilômetros para ir aos treinos.

Dois anos após passar a integrar o projeto social, quando tinha apenas dez de idade, Abner migrou para outra ação, chamada “Atleta do Futuro”, em que agarrou com força as oportunidades para se tornar atleta profissional.

“Eu sei que fez todo um nome, tem 24 anos, mas ainda me lembro daquele pequenininho. Para sempre, será aquele menino”, disse Godoi.

Desde os primeiros treinos, Abner sempre demonstrou ter “grande disciplina” e, além do alto nível técnico e profissionalismo”, se tornou um homem de muito valor, com forte caráter, disse Godoi.

“Não é coincidência que está onde está. Ele tem muito foco, é muito focado, não é uma pessoa ingrata e tem uma enorme consciência de tudo o que faz. Ele tem um grande coração”, acrescentou o técnico que revelou Abner.

O jovem pugilista, aos 24 anos, ostenta os títulos de bicampeão brasileiro juvenil e campeão nacional entre os adultos, na categoria peso-pesado. Além disso, já havia sido medalhista de bronze nos Jogos Pan-Americanos de Lima, em 2019.

Os objetivos esportivos de Abner, no entanto, caminham lado a lado com a vontade de retribuir a quem se esforçou para que fosse bem-sucedido na carreira e pudesse realizar alguns sonhos.

Antes de embarcar para o Japão, o pugilista prometeu que voltaria ao Brasil com uma medalha pendurada no pescoço, tanto “para elevar o nível do boxe” do país como para conseguir uma casa para a mãe, que mora em Sorocaba.

“Ela nunca teve uma casa própria, e quero dar a ela essa alegria”, disse o agora dono de um bronze olímpico, em entrevista ao site “Globoesporte.com”

Na última sexta-feira, Abner havia garantido um lugar nas semifinais da categoria até 91 kg do torneio de boxe, ao vencer o jordaniano Hussein Ishaish, resultado que garantia uma medalha, já que na modalidade não há disputa de terceiro lugar.

Hoje, o brasileiro voltou para o ringue e acabou superado pelo cubano Julio César la Cruz, que havia obtido o ouro em 2016, no Rio de Janeiro, na categoria até 81 kg.

Godoi contou nesta terça-feira à Agência Efe que se emocionou com o pupilo, principalmente após a luta.

“Quando ele se ajoelhou, pude ver que o peso que estava carregando em suas costas tinha desaparecido. Que toda essa pressão para ganhar uma medalha tinha ido embora”, contou.

Com os ombros mais leves e ainda antes de alcançar os sonhos alcançados, o pugilista brasileiro ainda chamou a atenção de um dos ídolos que tem no esporte, Anderson Silva, que enviou a ele uma mensagem através de Godoi.

“Vai com a mão em cima, que a gente está na torcida e sabe que você vai trazer muitas vitórias para a gente”, escreveu o lutador de MMA.

Matéria Original: https://www.uol.com.br/esporte/ultimas-noticias/efe/2021/08/04/cria-de-projeto-social-abner-teixeira-sonha-em-dar-casa-para-a-mae.htm