Auditoria avaliou que TSE adota as melhores práticas internacionais e que eleições não estão em risco

por Bernardo Gonzaga, via Poder 360

O TCU (Tribunal de Contas da União) validou pela 3ª vez a segurança das urnas eletrônicas. Segundo o relator da auditoria, Bruno Dantas, a Justiça Eleitoral e o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) têm planos de contingência voltados à capacitação de pessoal, reserva técnica e orçamentária para as eleições e condições de lidar com possíveis problemas nas urnas, como ataques cibernéticos.

A decisão do tribunal tomada nesta 4ª feira (13.jul.2022) faz parte da 3ª fase da auditoria interna da corte que avalia a segurança das urnas eletrônicas.

A 1ª fase avaliou a confiabilidade das urnas e mostrou que o sistema eleitoral brasileiro dispõe de mecanismos de fiscalização que permite auditoria em todas fases da votação.

A 2ª rodada avaliou aspectos materiais que poderiam impactar a votação eletrônica. Nesta fase, o tribunal reformulou melhorias nos elementos de gestão da justiça eleitoral e do TSE.

Já a 3ª se dedicou a avaliar se o TSE estabeleceu mecanismos de risco de gestão adequado para garantir proteção ao processo crítico eleitoral de forma a evitar as eleições em casos de falhas e desastres para não prejudicar o resultado.

Segundo o voto do ministro relator, o TSE e a justiça eleitoral realizam política de gestão de continuidade de negócio que regem o sistema eleitoral. Dantas também disse que em cada um dos normativos avaliados, existe uma gestão de continuidade de negócio “o que mostra a seriedade que esse trabalho é feito por toda justiça eleitoral”, disse.

Fonte: https://www.poder360.com.br/eleicoes/tcu-valida-pela-3a-vez-seguranca-das-urnas-eletronicas/